O uso excessivo de álcool gel, ao invés de ser um aliado, pode acabar gerando um impasse ainda mais preocupante no futuro: o acúmulo de frascos

Com o surgimento do novo coronavírus, muitas mudanças já podem ser sentidas, desde o comportamento da sociedade, como o espaço em que estamos inseridos no planeta. A pandemia que se alastrou pelo mundo nos últimos meses está causando graves preocupações e elas podem ser mais delicadas do que imaginamos, inclusive, para o meio ambiente.

Mas, diante de toda essa situação, como priorizar atitudes que sejam politicamente corretas e causem um impacto menor ao ecossistema? Se pararmos para refletir, não é tão difícil quando parece. Há que diga que o vírus é uma própria mensagem do planeta sobre a relação de desrespeito que existe entre as fronteiras do homem e do meio ambiente. Temos armas naturais que não conhecemos e a preservação ambiental pode ser de extrema importância para conter o avanço de doenças virais como a COVID-19.

Tudo o que acontece no mundo causa uma reação com o nosso ritmo de levar a vida e, diante de tantos desastres ambientais que aconteceram nos últimos anos, é fácil perceber que se continuarmos assim o planeta não vai aguentar e terá cada vez mais efeitos colaterais para aqueles que habitam.

Em meio ao caos, há efeitos positivos?

Por outro lado, analisando positivamente, desde que foram adotadas medidas para conter a pandemia de coronavírus, é possível constatar que ocorreu uma queda drástica nas emissões globais de poluentes. De acordo com a NASA (Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço), os níveis de CO₂ na China, onde as fábricas ficaram paradas por um mês, caíram em pela menos um quarto do que era antes. A mudança é chocante e ao mesmo tempo muito significante, já que a China é um dos maiores produtores de Co₂ do mundo, contribuindo diariamente para efeito estufa e aquecimento global do planeta

Álcool e mais álcool

Com tantas notícias ao mesmo tempo é tanta ansiedade e desespero que o álcool gel é o objeto de higiene mais desejado do momento e está em falta em quase todos os estabelecimentos. O grande problema é que seu uso excessivo, ao invés de ser um aliado, pode acabar gerando um impasse ainda mais preocupante em um futuro próximo: o acúmulo de frascos supostamente descartáveis. Vocês já pararam para pensar nisso?

Muitos não sabem, mas os potes de álcool gel podem (e devem) ser reciclados. A maioria são de PET (tereftalato de polietileno), um dos plásticos mais reciclados pela indústria e mais utilizados pelos consumidores. Sendo também um dos mais encontrados jogados pelas ruas e em locais inapropriados.

A gestora ambiental Júlia Luchesi, explica sobre o assunto: “ Tem mais de 50 tipos de plásticos diferentes, por exemplo, o PET das garrafas são diferentes dos que estão são usados em amaciantes. Com o consumo de álcool gel vai aumentar a geração de resíduos. A indicação é que eles sejam separados e descartados para a coleta seletiva”, afirma.

Ela inda aconselha: “É preciso que o consumidor fique atento em qual dia o caminhão da coleta vai passar na rua ou ele pode descartar em pontos de reciclagem que supermercados oferecem. Em alguns, as cooperativas que trabalham, separam e depois vendem para uma indústria especifica daquele tipo de material plástico.”

Segundo um relatório da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), a indústria de reciclagem de plástico é a 4ª maior empregadora entre os setores que fazem parte da
indústria de transformação. Por isso, além de gerar empregos, a expansão da área contribui sucessivamente para diversos benefícios socioambientais e humanitários.

Em conjunto com reciclagem, Julia orienta que devemos ter um consumo mais consciente e compartilha dicas para diminuir a utilização de embalagens. “Uma coisa que poderia ser feita para reduzir o consumo, mas isso ainda não está disponível no Brasil, mas serve como uma grande inspiração, são as marcas que já trabalham com refil. Ou seja, você leva suas embalagens de álcool nos estabelecimentos e adquire somente o produto que será utilizado. Outra boa opção é priorizar comprar uma embalagem grande, ao invés de ficar adquirindo várias pequenas, assim se evita consumir mais garrafas plásticas e  gera menos resíduos”, conclui.

Por que é importante reciclar materiais plásticos ?

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), a cada 1 tonelada de material reciclado produzido, os resultados são:

Redução na emissão de 1,53 toneladas de Gases de Efeito Estufa na atmosfera

Redução de 1,1 tonelada em média de resíduo plástico disposto em aterros

Economia média de 75% de energia 75%

São evitados 450 L de água na produção 450L

Empregos de 3,16 catadores que recolhem esse volume de material no mês

Como identificar o tipo de material plástico?

Muito se fala sobre os diferentes plásticos, mas nem sempre a sua denominação é clara para a população, que pode ter dúvidas na hora de fazer o descarte correto. Todas as embalagens plásticas devem ter um símbolo da Norma ABNT NBR 13230 indicando qual o tipo de material presente e se ele pode ser reciclado.

Muitas pessoas também não sabem a diferença entre o plástico reciclável e reciclado. É muito simples: o primeiro indica que o produto, após sua vida útil, pode passar por um processo de transformação para dar origem a um novo. Já o segundo, indica que a suposta embalagem plástica foi fabricada com uma matéria-prima recuperada.

 

Fonte: Consumidor Moderno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *